ArabicBasqueBelarusianCatalanChinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish
Inadimplência dos brasileiros a mil por hora

Inadimplência dos brasileiros a mil por hora

As manobras eleitorais realizadas pelo governo Bolsonaro para diminuir a inflação galopante conseguiram conter a situação por meio do Auxílio Brasil, a redução do preço dos combustíveis a alguns malabarismo realizados com o ICMS.

A inadimplência dos brasileiro voltou a aumentar.

Quase 40% dos brasileiros adultos finalizaram o mês de agosto com pelo menos uma conta atrasada, totalizando quase 64 milhões de pessoas.

O volume dos endividados cresceu 10% em relação ao ano de 2021, com uma concentração das dívidas no setor bancário maior ao 60%.

O aumento dos alimentos e da energia, provocado pela escalada da maior crise capitalista de todos os tempos, continua imparável.

As manobras eleitorais realizadas pelo governo Bolsonaro para diminuir a inflação galopante conseguiram conter a situação por meio do Auxílio Brasil, a redução do preço dos combustíveis a alguns malabarismo realizados com o ICMS.

Os efeitos colaterais não tardarão em vir.

No próximo ano, o “mercado” passará a conta. Ou dito de uma maneira mais clara, o grande capital exigirá continuar com os seus lucros altos.

Para isso, é preciso aumentar a sua participação no bolo da riqueza social. Os volumes da participação da ultra corrupta dívida pública no Orçamento Público Federal voltará a ultrapassar os 50%. Mas isso não é suficiente para o imperialismo norte-americano (o “nosso” amo) que precisa nos sugar até a última gota de sangue para ir à guerra e salvar seus grandes capitalistas da sua brutal crise.

Agora ser faz necessário atacar em cheio as condições de vida dos trabalhadores e do povo. E os efeitos colaterais não tardarão em aparecer.

Ninguém é de ferro. Os trabalhadores e o povo entrarão inevitavelmente em movimento e a burguesia buscará reprimir a mobilização popular por todos os meios possíveis.

Atuar nesse cenário é justamente o nosso papel como revolucionários.

COMPARTIR:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deja un comentario

Plataforma Latino Americana