A corrupção da FIFA e a renovação da concessão da Rede Globo

A corrupção da FIFA e a renovação da concessão da Rede Globo

De golpe em golpe, a rede Globo tambem fez o seu no caso de corrupção da FIFA. Porem, quem são os verdadeiramente responsáveis pela rede Globo?

Desde o julgamento da corrupção da FIFA, entre os anos de 2015 e 2016, a Rede Globo, assim como as principais redes de televisão da América Latina, foram colocadas sob o controle direto dos Estados Unidos.

O julgamento da corrupção da FIFA que envolve em cheio a Globo.

Alejandro Burzaco, que é de uma empresa lobista que faz a intermediação de direitos de transmissão da FIFA, uma empresa argentina chamada “Torneos y Competencia”, foi um dos 14 funcionários da FIFA, dos 42 acusados, que estava envolvido nesse processo.

Ele, especificamente, revelou propinas envolvendo grandes redes de TV e a FIFA.

Participaram a FOX Sports, que é uma rede de televisão norte-americana, a TELEVISA, que é a grande rede de TV mexicana, a Media Pro, a Full Play, a Traffic, que é uma empresa laranja aberta pela rede Globo em uma das ilhas do Caribe e a própria Rede Globo.

Os pagamentos eram efetuados por meio de bancos do Oriente Médio, de Andorra e da Ásia.

Marcelo Campos Pinto, que foi diretor do Globo Sports e ocupou o cargo também no comitê de imprensa da FIFA 2014, era quem negociava as transmissões. Ele repassou milhões de dólares para dirigentes da FIFA.

A crise da rede Globo se alastra desde o início da década de 2000 e um pouco antes, inclusive, no final da década de 1990.

Quando ela entrou em concordata, deixou de pagar R$ 185 milhões em impostos e direitos de transmissão que, com multa, chegava a R$ 700 milhões.

Em 2004, o grande empresário mexicano Slim, que não passa de um laranja de monopólios norte-americanos, em 2004 ele botou dinheiro na Rede Globo quando essa quebrou e acabou ficando com a NET.

No meio do julgamento da FIFA nos Estados Unidos, a família Marinho repassou para três acionistas principais, que são os três filhos de Roberto Marinho, R$ 5 bilhões, como uma amostra que eles estavam caindo fora do negócio.

A Rede Globo continua, mas a família Marinho foi retirada do comando real. A política reacionária da TV Globo também continuou.

A Rede Globo esteve envolvida no golpe parlamentar contra a presidente Dilma Rousseff, na Operação Lava Jato, nas movimentações da extrema direita na rua, na campanha de 2018 para impor o Bolsonarismo e em 2022 para impor Lula/ Alckmin mantendo forte o próprio Bolsonarismo.

Num certo momento, a própria Lava Jato chegou muito perto do envolvimento da Rede Globo no caso dos Panamá Papers, com documentos da especulação financeira e lavagem de dinheiro no Panamá.

Isso bateu às portas de um escritório que está no Rio, chamado Mossack Fonseca, de um escritório norte-americano com grande movimento no Panamá, que lavava dinheiro da Rede Globo.

Os “paladinos da luta contra a corrupção” da Operação Lava Jato mandaram parar as investigações.

A crise da Globo aparece em vários sentidos, principalmente na queda da publicidade, mas também em questões superestruturais como, por exemplo, o caso de denuncias de assédio sexual de alguns dos seus atores ou a  armadilha que fizeram contra o repórter William Waak para retirá-lo do comando do quadro que ele tinha no Jornal Nacional e na Globo News a partir de Nova York.

A CPI do Senado sobre o caso da FIFA indicou 11 envolvidos e todos eles com conexões com a rede Globo.

Uma parte da corrupção da Globo foi revelada pelo Ministério Público da Espanha, que inclusive prendeu Sandro Rossel e apontou Ricardo Teixeira.

Sandro Rossel foi presidente do Barcelona. Também foi revelada pelo Ministério Público da Suíça e pelo FBI.

A pressão do imperialismo norte-americano, e seus agentes locais, sobre o povo brasileiro aumenta devido à necessidade de aumentar o saque do nosso país.

Essa pressão, impulsionada pelo brutal aprofundamento da crise capitalista mundial está convertendo o Brasil e a América Latina num barril de pólvora.

COMPARTIR:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deja un comentario

Plataforma Latino Americana