ArabicBasqueBelarusianCatalanChinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish
As eleições “já decididas” da Rede Globo

As eleições “já decididas” da Rede Globo

O imperialismo norte-americano e o capitalismo mundial enfrentam a sua maior crise de todos os tempos. Procuram repassá-la sobre as nossas costas, por meio das "novas caras", Boric, Lula, Petro...

A Rede Globo é um dos centros golpistas mais decididos no Brasil, desde que foi fundada sob a Ditadura Militar.

A Rede Globo é um dos centros golpistas mais decididos no Brasil, desde que foi fundada sob a Ditadura Militar.

A Rede Globo foi o maior porta-voz da Operação Lava Jato que representou um dos principais componentes da política do imperialismo norte-americano para impor o bolsonarismo em 2018, a maior fraude eleitoral brasileira em 100 anos.

DA UMA OLHADA AQUI:
Os 26 pontos da fraude que lavaram a vitoria do bolsonarismo em 2018

Como explicar que de repente, a Rede Globo passou a atuar de maneira cada vez menos disfarçada, como um dos principais cabos eleitorais da chapa Lula-Alckmin?

A resposta é relativamente simples. Basta levantar um pouco a nossa visão e olhar para o dono do Brasil e da América Latina, os Estados Unidos.

Seguindo a velha política da Doutrina Monroe, “A América para os americanos” (ou seja para os Estados Unidos), da mesma maneira que em 2018 impuseram o bolsonarismo para acelerar a entrega do Brasil e ajudar a estabilizar a acelerada queda dos lucros das super grandes empresas, agora estão impondo governos Lula-Alckmin em vários países importantes da América Latina.

Como o imperialismo norte-americano tenta nos fazer de trouxas

Essa política ficou clara com a imposição do governo Boric no Chile, como consolidação do “Acordo” do dia 15 de novembro de 2019 que visava conter o levante de massas do 18 de outubro de 2019. O governo Boric manteve a política pinochetista do governo de Sebastián Piñera e até com a “nova” Constituição (que de “nova” não tem nada, pois mantém tudo o fundamental do pinochetismo) tentou manter o pinochetismo intacto, canalizando a mobilização popular pelos canais institucionais sem outorgar absolutamente nada em troca. Uma operação de baixíssimo custo (para a burguesia chilena e o imperialismo norte-americano) para conter uma revolução.

Na Colômbia, a imposição do ex-guerrilheiro e ex-prefeito de Bogotá, o Sr. Petro, teve como objetivo conter o ascenso popular na Colômbia que durante dois meses manteve preocupadas as forças repressivas. Sobre a promessa de campanha de dissolver, ou pelo menos reformar a tropa de choque, a ESMAD, não só não falou uma única palavra, mas a ESMAD continua em ação de maneira ainda mais agressiva que no governo Duque. Igualzinho com os Carabineiros de Boric que continuam mais agressivos que nunca e chefiados por Yañez, o mesmo genocida que os chefiava durante o governo de Piñera.

No Brasil, a dupla Lula-Alckmin é ainda mais grotesca por causa de que Geraldo Alckmin foi o governador do estado mais importante do Brasil, São Paulo, onde aplicou uma política de terra arrasada contra os trabalhadores e a população.

O objetivo do imperialismo no Brasil é que Lula atue como uma espécie de rainha da Inglaterra com o objetivo de conter o movimento de massas durante algum tempo. O massacre do Brasil aplicado com especial intensidade pela Operação Lava Jato/ governo Temer/ governo Bolsonaro será estabilizado por Lula. A intensidade da aplicação será reduzida, mas sem volta atrás. E nos estados, no Congresso, no Poder Judiciário (que ninguém elege), assim como nos principais municípios, a direita continuará nadando de braçada.

O imperialismo norte-americano e o capitalismo mundial enfrentam a sua maior crise de todos os tempos. Procuram repassá-la sobre as nossas costas.

Os trabalhadores e os povos estão começando a reagir. Cada vez começa a ficar mais claro o verdadeiro papel dos revolucionários: ajudar aos trabalhadores e aos povos em luta a organizar e direcionar essas lutas contra a opressão do capital e do imperialismo.

COMPARTIR:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

2 comentarios en «As eleições “já decididas” da Rede Globo»

Deja un comentario

Plataforma Latino Americana